Dessensibilização

Posted by ComunicaINATAA, With 0 Comments, Category: Atividade assistida por animais, Cães Terapeutas, Comportamento Animal, Tags:, , , ,

O segredo por trás da tranquilidade dos cães terapeutas

Você já ouviu falar em dessensibilização de cães? O nome pode parecer confuso mas esse é um processo importantíssimo para manter a boa convivência de seu cão com outros e se tornar mais dócil e tranquilo diante de circunstâncias tumultuadas.

O adestramento feito pela equipe especializada em comportamento animal do INATAA consiste em três etapas: socialização, dessensibilização e adestramento básico. Nossa adestradora Kátia Aiello explica a importância da dessensibilização no treinamento de cães terapeutas.

Katia e Zequinha no Inst. Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo.

Katia e Zequinha no Inst. Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo.

“Na dessensibilização o cão vai aprender a receber carinhos, a ser tocado e não ficar estressado. Pelo contrário, ele se sentirá confortável. Também ficará tranquilo quando ouvir barulhos diferentes do habitual como cadeira de rodas, pessoas arrastando o pé, crianças agitadas pulando e etc”, exemplifica Kátia.

Segundo a adestradora, um cão bem treinado dura em média 8 meses para ser considerado apto a trabalhar com as AAAs (Atividades Assistidas por Animais) ou TAAs (Terapias Assistidas por Animais) sem reagir ao toque, dependendo das características do temperamento de cada cão.

Contudo, no caso de cães muito agitados, mais importante do que a dessensibilização, é um reforço na socialização. "Na maioria das vezes, um cão é agitado por falta de atividade e interação com outros animais e pessoas. Conviver e aprender a se comportar em grupo dará ao animal a tranquilidade necessária para se tornar cão terapeuta". O ideal é que mesmo depois de acabar o treinamento, o cão passe constantemente por socializações para não desenvolver stress, continuar aceitando os toques recebidos nas visitas e, dessa forma, dar continuidade ao trabalho de dessensibilização.

Deixe uma resposta