Comportamento Animal

Posted by Gerenciador, With 0 Comments, Category: Cães Terapeutas, Comportamento Animal, Terapia Assistida por Animais, Tags:, , , , , , , ,

O cão não quer trabalhar. Preguiça ou cansaço?

Por Katia Aiello, Psicóloga e Adestradora Comportamentalista, membro da diretoria de Comportamento Animal do INATAA
Para quem está a algum tempo trabalhando com Terapia Assistida por Animais (TAA) possivelmente já deve ter passado por isso: Depois de 15 ou 20 minutos na sessão o cão vai deitar longe do assistido, se chamam para voltar ele não obedece e geralmente fica deitado com a cara em cima do pote de água bebendo uns golinhos a cada minuto.
Por que ele tem este comportamento?
Pode ser por 3 principais motivos:
1- O cão está com calor
2- O cão está indisposto
3- O cão está fazendo “corpo mole”
IMG_1331bx
Como fazer para identificar essas 3 probabilidades?
1ª ­- Essa é a mais fácil, se o tempo está muito seco, se a sala está sem ventilação e sua respiração está um pouco mais acelerada, provavelmente ele está com calor. Também, com calor o cão não consegue ficar muito tempo com a bolinha na boca.

2ª – Um cão pode ficar cansado rapidamente numa sessão caso ele esteja com algum incômodo. Se antes da terapia ele apresentou diarréia ou vomitou, ele pode estar com uma indisposição estomacal. Diferente do calor, o cansaço por problemas gastrointestinais deixa o cão mais quieto, ele saliva mais ficando sempre com o queixo molhado e a boca semi-aberta ou fechada. Também precisa ser observado se na sala ele ingeriu algum produto ou engoliu algum brinquedo. Nesses dois casos, o mais comum é ele ficar com ânsia e vomitar logo depois de ter engolido.

3ª – Se a temperatura ambiente estiver boa, se ele está com o intestino ótimo, se não vomitou e se na sala ele não ingeriu nada, muito provavelmente ele está com preguiça. O cão assim como os humanos tem seus dias de moleza, de querer ficar com a barriga para cima sem fazer nada.
A minha recomendação é a seguinte, se estiver com calor, dê bastante água a ele e deixe-o descansando por uns 10 minutos. Depois retornem para dar continuidade à sessão. No segundo caso, isto é, se estiver indisposto, interrompa a sessão, leve-o embora e entre com o plano B. Todo profissional de TAA deve ter uma atividade sem o cão para justamente poder usá-la nesses momentos.

Agora, se tudo estiver OK e ainda assim o cão fizer corpo mole, com certeza é porque ele já percebeu que fazendo carinha de coitado seu dono ou seu condutor vai deixá-lo “em paz”.
O mais curioso é que, se uma criança não quiser fazer a lição de casa, ela leva uma super bronca ou fica de castigo. Um adulto então, imagine qual será a resposta do seu chefe caso você chegue para ele com a mesma carinha de coitadinho que seu cão faz e ainda pede dispensá-lo, pois você está muito cansado.
Geralmente quem ama e respeita os animais tende a achar que como o cão não sabe verbalizar o que sente, qualquer expressão corporal semelhante ao comportamento de um cão fatigado, será um motivo para não continuar a sessão, pois estará explorando e exaurindo seu cão. Um bom profissional que trabalha com Terapia Assistida por Animais deve aprender a interpretar a linguagem canina. Só assim terá tranqüilidade para encerrar uma sessão caso seu cão esteja cansado ou saber impor sua liderança quando o cão estiver com preguiça.